5 situações que danificam a bateria do carro

Os cuidados com a bateria ajudam a prolongar a vida útil dela e a evitar situações desagradáveis em que o carro não consegue ligar. Claro que, eventualmente, imprevistos podem acontecer, mas de uma maneira geral, é possível ter cautela e prevenir a bateria do carro.

 

Muita gente não sabe, mas diversos pequenos atos do dia a dia, como deixar a frente do rádio acesa, sem o motor funcionando, vão aos poucos consumindo a bateria do carro. A longo prazo, isso pode danificar o aparelho.

 

A Auto Baterias preparou esse material para você não ficar na mão e não precisar lidar com um carro imobilizado no meio do trânsito. Conheça quais são as principais situações que danificam a bateria do carro! 

 

Boa leitura!

Como funciona a bateria do carro

 

Para descobrir se uma bateria está mesmo danificada ou se é algum tipo de mau contato, ou ainda se o problema está em outra peça, é importante conhecer um pouco sobre o funcionamento dela.

 

A bateria possui, de um lado, um eletrodo positivo, formado de dióxido de chumbo, e do outro, um eletrodo negativo, formado de dióxido de chumbo poroso.

 

Quando o carro é ligado, uma corrente flui do polo negativo para o positivo, fazendo com que a bateria se descarregue. Na verdade, isso acontece sempre que uma carga é conectada, seja no motor ou algum tipo de luz do veículo.

 

Neste processo em que acontece o descarregamento, a composição dos eletrodos muda para sulfato de chumbo. Porém, os veículos são providos de alternadores, que cumprem a função de carregar novamente a bateria, fazendo que os eletrodos voltem à composição original.

 

A explicação pode parecer um pouco técnica, mas é importante saber do funcionamento para você aprender melhor sobre como você pode estar causando danos ao seu veículo.

Quais peças compõem a bateria?

 

A seguir você vai compreender melhor sobre do que é feita a bateria do carro e qual a função de cada peça dela.

 

  1. Grades

 

Para proteger os eletrodos, que são feitos com material extremamente frágil, existe uma grade, que cumpre mais de uma função. Além da proteção física, essa grade é quem faz a condução da eletricidade dos eletrodos para a carga externa.

 

  1. Material externo

 

O material externo é uma mistura que é convertida no dióxido de chumbo, que como já mencionamos, existe em cada um dos eletrodos. Esse material é transformado quando a bateria é ligada.

 

Esses aditivos também estão presentes no eletrodo, para que você consiga ligar o carro em temperaturas mais baixas de maneira adequada.

 

  1. Separador

 

O separador, como o próprio nome sugere, é uma peça colocada entre as placas positivas e negativas, com a finalidade de evitar contato entre uma e outra, o que por sua vez poderia provocar um curto-circuito.

 

Porém, ele não pode isolar completamente uma placa da outra. O separador deve ter pequenos orifícios que permitem a passagem de íons de uma placa para a outra, possibilitando o funcionamento da bateria.

 

  1. Eletrólito

 

Um eletrólito nada mais é do que ácido sulfúrico diluído em água. Sua função é transportar os íons elétricos entre as placas quando a bateria está sendo carregada ou descarregada. 

 

  1. Caixa e tampa

 

A caixa e a tampa são feitas de propileno, que é uma espécie de plástico mais resistente para que a bateria não sofra nenhum dano em caso de possíveis choques durante o manuseio. Ele também suporta fluidos e não é alterado quando em contato com ácidos.

Quais são as situações que mais danificam a bateria?

 

Agora que você já entende o funcionamento, já sabe que é preciso mantê-la sempre segura e protegida para evitar panes. Também sabe que algumas situações podem "roubar" a carga, e é exatamente disso que vamos falar agora.

 

Quais são os cuidados que não estamos fazendo e que está afetando o funcionamento do veículo?

 

Temperaturas muito baixas.

 

Você já deve ter ouvido que a exposição a temperaturas mais baixas pode dificultar que você consiga dar a partida no seu carro. Existe uma explicação para isso. 

 

O clima mais frio não estraga a bateria, ele dificulta a vaporização do combustível e deixa o óleo lubrificante mais grosso e viscoso. Essa situação obriga o motor a fazer um esforço maior para ser acionado e demandado, o que por sua vez requer uma carga maior de energia.

 

Fora isso, como você já aprendeu, a bateria é acionada a partir de uma reação química, que é dificultada em temperaturas mais baixas.

 

A solução é buscar, sempre que possível, manter o carro em um local protegido do clima.

 

Deixar o carro parado sem uso.

 

Esse também é um erro muito comum e é mais conhecido. Um carro não pode ficar parado durante muito tempo. Mesmo que você mexa em tudo e desligue algumas funções, corre o risco de ficar sem a sua bateria.

 

No carro parado, a bateria continua fornecendo carga para os sistemas do veículo. Alarme, relógio digital, rádio e painel necessitam de uma pequena alimentação. Quando o carro está desligado, o alternador não está ligado e, portanto, não está repondo a carga perdida. Aos poucos, toda a carga vai sendo consumida.

 

Uma alternativa a que algumas pessoas recorrem é retirar os cabos e desconectar a bateria quando vai deixar o carro parado por algum tempo. Porém, essa prática não é recomendada, pois também traz prejuízos ao veículo, principalmente os modelos mais novos.

 

O motivo é que os carros têm componentes eletrônicos que podem ficar desconfigurados se não receberem energia, e isso pode ter efeitos sobre a memória da central eletrônica.

 

Caso o dono do veículo vá viajar, o ideal é deixar a chave com alguém de confiança, ou pedir a um conhecido que fique com o carro e dê partida por pelo menos meia hora uma vez na semana.

 

Se o carro apresentar algum problema e não puder circular, mas ainda tiver bateria, procure dar a partida na garagem mesmo.

 

Fuga de carga

Quando o consumo de energia é maior do que o programado, acontece a fuga da carga. Essa situação pode ser provocada por diversos motivos: cabos estragados, curto-circuito e outras modificações feitas pelo próprio dono do veículo.

 

É o caso de adaptações no sistema de som ou de alarme que exigem uma potência maior do que a estrutura oferecida pela carga.

 

Antes de fazer qualquer substituição em acessórios originais do seu veículo, avalie o custo-benefício e converse com pessoas que entendam do assunto.

 

Defeitos no alternador

 

Por sua importância de recarregar a bateria quando o motor está ligado, o alternador deve ficar sempre em bom estado de conservação. Qualquer problema faz com que ele não consiga gerar a energia suficiente, e consequentemente, a bateria não carregará totalmente, o que vai "arriar a bateria".

 

O alternador também pode apresentar defeito caso o regulador de tensão esteja com algum problema. 

 

Acessórios desconfigurados ou ligados sem motivo

 

Com certeza você sabe que deixar luzes acesas ou o som ligado, enquanto o carro está desligado, pode ser uma dor de cabeça na hora de sair. Pode parecer óbvio, mas é bom conferir também se as luzes no porta-luvas ou em lugares mais escondidos estão funcionando normalmente, para evitar que elas puxem carga da bateria.

 

Além das luzes e do som, a chave virada na ignição, os faróis ligados, o alarme desconfigurado e até mesmo o rastreador podem ser os vilões da sua bateria. Por isso é importante não deixar o carro encostado na garagem sem uso.

 

Como evitar o contratempo de ficar sem bateria parado no meio do trânsito

 

Imprevistos podem acontecer a qualquer hora e, mesmo que você cuide de sua bateria e do seu carro, algum defeito imperceptível pode acabar com a energia. Mas, você pode ficar de olho em alguns sinais que vão indicar que sua bateria está chegando ao fim ou precisa de um pouco mais de atenção.

 

Confira quais são elas:

 

  1. Problemas nos dispositivos elétricos

 

Você já sabe que acessórios podem "roubar" a carga da bateria, mas o inverso também pode acontecer: eles podem ser o indicativo de que há algum problema elétrico.

 

Sempre observe se os dispositivos estão apresentando falhas, não estão funcionando plenamente ou só funcionam com muita lentidão. Quando a bateria está com algum defeito, ela não consegue suprir energia para estes aparelhos.

 

  1. Luzes fracas

 

Com as luzes, a situação é parecida. Vale a pena fazer uma investigação para avaliar se o problema é na própria luz, que não está funcionando bem, ou se o problema é que a energia é insuficiente. Se for a segunda opção, o defeito pode estar na bateria ou no alternador. De qualquer jeito, não é uma boa notícia e é mais prudente levar a um profissional para avaliar.

 

  1. Barulho do motor fraco

 

Qualquer mudança em relação ao motor pode representar um perigo ao seu veículo, e, portanto, o ideal é levar a uma oficina mecânica para sua segurança. Uma das possibilidades para justificar uma falha no funcionamento do motor é a bateria.

 

  1. Dificuldade em ligar o carro

 

O maior indicativo de que a bateria pode estar descarregada é a dificuldade na hora de dar a partida. O motor fica sem energia suficiente para ser ligado e fica mais difícil acioná-lo.

 

Tempo frio, acessórios ligados, bateria já danificada ou falta de uso por tempo prolongado podem ser algumas das justificativas para isto acontecer.

 

  1. Oxidação da bateria

Os materiais que compõem a bateria do carro são corrosivos e isso pode fazer com que os terminais se oxidem com o tempo. Um óxido chamado zinabre se acumula nos eletrodos e impedem o funcionamento das correntes elétricas. 

 

Quando o motor falhar ao dar partida, dê uma olhada na bateria e veja se ela apresenta alguma mudança física, como a presença de resíduos azul-esverdeados. Se isso acontecer, é bem provável que seja necessário trocar a bateria de seu carro.

 

Neste caso, acione imediatamente a Auto Baterias e solicite uma nova bateria, que nós iremos até você o mais rápido possível. Em 50 minutos, tudo já estará instalado e você poderá seguir viagem normalmente, com segurança, e sem o risco de ter o mesmo transtorno novamente.

Sua bateria de carro instalada em menos de uma hora